APRESENTAÇÃO

A arte recente tem utilizado não apenas tinta, metal e pedra, mas também ar, luz, som, palavras, pessoas e muitas outras coisas. E na busca de encontrar meios de abordar as preocupações que são apropriadas ao caráter da vida contemporânea, resgata-se a tradição e une-se o som, as palavras e as pessoas para contar e encantar na terceira edição do Festival Nacional de Contadores de Histórias.

Realizado pela Prefeitura de Ponta Grossa, através da Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Núcleo de Contadores de Histórias, esta edição do Festival aborda as temáticas ‘Ancestralidade e Diversidade Cultural’. Segundo o curador do evento, o assistente cultural Alfredo Mourão, estas temáticas vem para propor estudos e discussões em diferentes setores da promoção humana e cultural brasileira, vivenciadas em encontros e festivais de contadores de histórias, realizados entre 2015 e 2016, no Brasil e na América Latina.

“Ligadas ao contexto de sua expressão e buscando as qualidades modificadoras da forma e de significados que se estendem para muito além do presente imediato, também buscam conduzir diferentes olhares sobre as etnias e as estéticas populares”, explica. Ponta Grossa atualiza esse contexto, convidando para falas interativas e oficinas, profissionais ligados à arte da narrativa – escritores e contadores de histórias – do Brasil e do exterior.

Entre os dias 18 e 20 de abril, educadores e alunos em processo de formação educacional, bem como agentes de leitura e literatura e profissionais afins, poderão absorver as contribuições trazidas pelos diversos convidados para o evento.